El 22 de mayo de 2018, actualizamos nuestra Declaración de Privacidad y nuestros Términos de Uso de conformidad con GDPR. Su uso continuo de Educate Magis significa que usted acepta estas políticas. Es por esta razón que le sugerimos dedicar unos minutos a leerlas y a entenderlas haciendo clic aquí.
COVID-19 - Recursos y Recomendaciones Compartidas por Educadores de Nuestra Comunidad Global

Projeto idealizado por três instituições da Rede Jesuíta de Educação (RJE) terá seu lançamento no dia 23 de junho, em Santa Rita do Sapucaí

Belo Horizonte, 14 de junho de 2018 – Usina Solar Padre Furusawa. Esse é o nome que leva o maior projeto de energia sustentável do país, criado por escolas. A iniciativa envolve três grandes colégios mineiros: Loyola, em Belo Horizonte; Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE FMC), em Santa Rita do Sapucaí – Sul de Minas –; e Jesuítas, na cidade de Juiz de Fora – Zona da Mata. Sua inauguração, no dia 23, é aguardada após dois anos de construção. O evento contará com a presença de representantes das três escolas.

A usina foi criada com o objetivo de garantir energia, de forma sustentável, aos colégios da rede, podendo, ainda, o seu excedente ser destinado à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Uma das principais inspirações partiu do principal documento da RJE: o Projeto Educativo Comum (PEC). Promulgado em março de 2016, o PEC trata como uma de suas prioridades questões que envolvem a sustentabilidade ambiental do planeta. A grande missão proposta pelo Papa Francisco, na Encíclica Laudato Si’, prevê a concepção de uma ecologia integral. Ou seja, a promoção de uma justiça socioambiental, por meio das relações dos seres humanos com o planeta Terra e seu futuro.

A instalação da Usina Solar Padre Furusawa ocupa uma área de 15 mil metros quadrados, na região Sul do estado, e conta com 4.200 painéis solares. A potência anual estimada da Usina Solar Padre Furusawa é de 1,113 megawatts a 1,5 gigawatts. A produção equivale ao consumo diário de 860 casas, segundo a média brasileira.

Outra grande preocupação dos colégios mineiros com o projeto foi o de promover uma redução significativa da emissão de CO2. Com o uso da energia gerada pelas placas fotovoltaicas, 582 toneladas de dióxido de carbono deixarão de ser lançadas na atmosfera. De acordo com análises técnicas do projeto, a não emissão equivale ao plantio de cinco mil árvores.

Minas Gerais é destaque no quesito energia solar. Além de ser palco deste projeto (o primeiro de produção no Brasil com iniciativa escolar), o estado já abriga a maior usina fotovoltaica da América Latina, localizada em Pirapora, na região Norte, Vale do São Francisco.

Energia solar voltaica

            Esse tipo de energia sustentável e limpa acontece através da irradiação solar. As células fotovoltaicas presentes nos semicondutores interligados das placas geram partículas de energia quando expostas à luz. O sistema pode funcionar, mesmo com baixa irradiação solar.

Padre Furusawa

José Motoyasu Furusawa nasceu no dia 21 de setembro de 1920, em Kuiamoto, sul do Japão. Chegou ao Brasil aos nove anos de idade com sua família, de navio. Foi agricultor e viveu disso por seis anos no Mato Grosso. Em seguida, mudou-se com a família para a capital paulista. Em 1940, ingressou na Companhia de Jesus. Após dez anos, foi ordenado na Espanha.

Logo após, em 1963, chegou a Santa Rita do Sapucaí e foi professor de Eletrotécnica e Eletricidade na Escola Técnica de Eletrônica da cidade, até 1991.

Conhecido carinhosamente como Padre Furu, foi o responsável por toda instalação elétrica dos atuais prédios da ETE FMC e criador do sistema de aquecimento solar dos antigos alojamentos da instituição. Também desenvolveu o método de construção de transformadores, muito usado nas indústrias locais. Preocupado com as questões de saúde e meio ambiente, sempre utilizou a bicicleta como meio de transporte.